RSS


Voltar

Anvisa participa de evento da Federação Brasileira de Hemofilia

SANGUE

Anvisa participa de evento da Federação Brasileira de Hemofilia

Atividade em Brasília reuniu representantes de associações de pacientes de todo o Brasil.
Por: Ascom/Anvisa
Publicado: 09/07/2018 11:27
Última Modificação: 11/07/2018 00:10
Doação de sangue - Hospital do Subúrbio | by Fotos GOVBA

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) marcou presença no 1º Simpósio de Políticas de Saúde em Hemofilia e outras Coagulopatias Hereditárias, realizado pela Federação Brasileira de Hemofilia (FBH), no hotel Grand Mercure, dia 30/6, em Brasília. Destinado aos representantes de entidades de pacientes de todo o país, o objetivo do evento foi promover a qualificação das associações e o fortalecimento da participação social na formulação, gestão e no controle de políticas públicas de saúde em coagulopatias.

Durante a atividade, a Gerência de Sangue, Tecidos, Células e Órgãos (GSTCO) da Anvisa, apresentou o panorama da situação sanitária e os avanços nessa área, bem como as perspectivas para a regulação dos produtos de terapias avançadas no âmbito das inovações terapêuticas.  

Para a Anvisa, debater com associações de pacientes é fundamental para o fortalecimento do ambiente regulatório brasileiro em construção com a sociedade.

Sobre a doença

De acordo com informações do Portal da FBH, a hemofilia é um distúrbio genético e hereditário que afeta a coagulação do sangue. O sangue é composto por várias substâncias, onde cada uma delas tem uma função. Algumas dessas substâncias são as proteínas denominadas fatores de coagulação, que ajudam a estancar as hemorragias quando ocorre o rompimento de vasos sanguíneos.

Ainda de acordo com a FBH, existem 13 tipos diferentes de fatores de coagulação e os seus nomes são expressos em algarismos romanos. Assim, existe desde o Fator I até o Fator XIII, que são ativados apenas quando ocorre o rompimento do vaso sanguíneo. Essa ação no organismo leva à formação de coágulo no corpo pela ação dos 13 fatores.

De acordo com o gerente da GSTCO, João Batista, o Brasil dispõe de vários tratamentos para hemofilia com registro na Anvisa. No campo da inovação, o órgão acompanha pesquisas sobre terapias avançadas (terapia gênica), que são tratamentos que podem levar à modificação genética do paciente, com a correção de genes.

Serviços de qualidade

João Batista afirma que o Brasil avançou na qualificação dos serviços de hemoterapia, tais como as unidades da rede de bancos de sangue, que oferecem qualidade e segurança ao paciente. De acordo com dados da GSTCO, de cada dez serviços avaliados, nove estão de acordo com as normas sanitárias.

O controle sanitário dessas unidades é feito pelas vigilâncias dos estados e municípios, que aplicam uma metodologia de avaliação de risco que verifica a adoção de boas práticas e gestão de qualidade do local e de equipamentos e produtos utilizados, que devem estar devidamente registrados na Anvisa.

Durante as inspeções, também são avaliados aspectos relacionados à capacidade da equipe de profissionais que atuam no serviço, bem como a adoção de medidas para aumentar a segurança do paciente durante o tratamento.

Para saber mais sobre a atuação da Anvisa nessa área, consulte a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 34, de 2014, que dispõe sobre as boas práticas no manejo e o ciclo do sangue nos serviços de saúde, e a nova edição do Boletim de Avaliação de Risco em Serviços de Hemoterapia, com dados de 2016. 

 

Quer saber as notícias da Anvisa em primeira mão? Siga-nos no Twitter @anvisa_oficial e Facebook @AnvisaOficial