Publicador de conteúdo Publicador de conteúdo

Retornar para página inteira
Voltar

Tachos de cobre

TACHOS DE COBRE

 

A Resolução da Anvisa -RDC nº. 20, de 22 de março de 2007 que aprova o "Regulamento Técnico sobre Disposições para Embalagens, Revestimentos, Utensílios, Tampas e Equipamentos Metálicos em Contato com Alimentos" prevê no item 3.1.6 da Lista Positiva, que o cobre, latão ou bronze revestidos integralmente por uma capa de ouro, prata, níquel ou estanho tecnicamente puros podem ser empregados na elaboração de equipamentos e embalagens metálicos em contato com alimentos. O item 2.3 determina que as embalagens, revestimentos, utensílios, tampas e equipamentos metálicos não poderão ocasionar modificações inaceitáveis na composição dos alimentos ou nas características sensoriais dos mesmos.  

 

Ou seja, não há nenhuma proibição relativa ao uso de tachos de cobre. A única exigência da legislação é que esses tachos sejam revestidos com ouro, prata, níquel ou estanho para impedir modificação na composição dos alimentos.

 

O cobre é um micronutriente essencial e efeitos adversos à saúde são relacionadas tanto à deficiência quanto ao excesso. A deficiência de cobre está associada à anemia, neutropenia (diminuição do número de neutrófilos, a célula branca mais importante no sangue) e alterações ósseas, mas as evidências clinicas de deficiências desse micronutriente são pouco freqüentes em humanos.  Os efeitos relacionados ao excesso desse nutriente são: gosto metálico, dor epigástrica (dor na parte alta e central do abdômen), dor de cabeça, náuseas, tonturas, vômitos e diarréia, taquicardia, dificuldade respiratória, anemia hemolítica, hematúria (sangue na urina), hemorragia digestiva maciça, insuficiência renal, insuficiência hepática e morte.

 

 

 

CACHAÇAS

 

 -  embora a Anvisa não registre bebidas (é o MAPA) a RDC  20 da Anvisa vale sim para cachaças, que são produzidas em tonéis de cobre (ou seja, esses tonéis precisam de proteção, o cobre não poderia estar em contato direto com a bebida).

 

 - Como na prática o mercado não cumpre a nossa resolução, o que as vigilâncias sanitárias municipais estão fazendo na prática é analisar as amostras de alimentos no sentido de verificar a quantidade de resíduo de cobre nesses alimentos.

 

 - No caso específico da cachaça os limites de cobre e outras substâncias estão descritos  no decreto-lei 55871 de 1965; na portaria 685 de 1998 e na Instrução Normativa 13 de 2005 do MAPA, que estabelece o padrão de identidade e qualidade de aguardente.

 

 - A Anvisa tem interesse em fazer uma revisão da norma (isso não significa que vamos abrir mão de tudo mas que uma flexibilização seria possível, um caminho alternativo) mas não podemos fazer isso unilateralmente, porque essa norma é harmonizada no Mercosul. Portanto, uma modificação precisa ser aceita por todos os países que compõem o Mercosul.

Assessoria de Imprensa