Voltar

Coronavírus: confira as orientações para aeroportos

MEDIDAS PREVENTIVAS

Coronavírus: confira as orientações para aeroportos

Recomendações da Anvisa devem ser seguidas por órgãos e trabalhadores que atuam no setor aeroportuário.
Por: Ascom/Anvisa
Publicado: 14/02/2020 16:15
Última Modificação: 14/02/2020 16:41

Diariamente, os aeroportos brasileiros recebem um grande número de passageiros e isso os torna um dos principais pontos de atuação da vigilância sanitária, especialmente com o surgimento recente do novo coronavírus (2019-nCoV) na China.  

A vigilância sanitária é a primeira autoridade de saúde a ser informada sobre a existência de algum caso suspeito a bordo de aeronaves ou embarcações, sendo, portanto, responsável pelas primeiras medidas preventivas.  

Antes de saber quais são as recomendações da Anvisa, é importante informar que:  

  • até o momento, não há nenhum caso da doença confirmado no Brasil; 

  • as equipes da vigilância sanitária estão mobilizadas e preparadas para lidar com a chegada de possíveis casos suspeitos ao país; 

  • as ações preventivas seguem orientações do Centro de Operações de Emergência (COE) – Coronavírus, coordenado pelo Ministério da Saúde, e da Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Caso suspeito: o que acontece nos aviões e aeroportos? 

A Anvisa tem várias orientações que devem ser seguidas por órgãos e trabalhadores que atuam em aeroportos e em aviões, no caso de detecção de algum caso suspeito do novo coronavírus. Uma delas é a de que o comandante da aeronave comunique à autoridade sanitária se houver suspeita da doença no voo. Também é responsabilidade do comandante a adoção de medidas para isolar a pessoa dos demais viajantes.  

Confira as principais orientações da Anvisa para a comunicação e atuação frente a casos suspeitos, de acordo com a competência de cada agente aeroportuário: 

Comunidade aeroportuária

  • Informar ao Centro de Operações de Emergências – COE do aeroporto qualquer caso suspeito, em qualquer área do aeroporto, seja passageiro, tripulante ou outra pessoa. 

Centro de Operações de Emergências – COE do aeroporto 

  • Acionar o Serviço Médico e informar o caso à Anvisa.  

  • Comunicar à Receita Federal (RF), Polícia Federal (RF) e Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro) quando o caso estiver em área restrita no aeroporto. 

 Serviço Médico

  • Realizar o atendimento do caso, em conjunto com a autoridade sanitária.  

  • Avaliar os critérios clínicos para enquadramento como caso suspeito, de acordo com a definição do Ministério da Saúde e da OMS. 

  • Garantir que os profissionais de saúde usem equipamentos de proteção individual (EPIs) antes de realizar o atendimento. 

  • Levar o caso suspeito ao posto médico ou local de triagem, em área restrita, evitando o trajeto por áreas com grande movimento de pessoas. 

Administração aeroportuária

  • Disponibilizar área de triagem, em caso de necessidade de separação dos casos suspeitos.  

  • Verificar junto à Polícia Federal (PF) e à Receita Federal (RF) a forma de efetuar o controle migratório e alfandegário do caso suspeito e das demais pessoas que tiveram contato com a pessoa.  

  • Supervisionar e garantir a realização da limpeza e desinfecção de áreas e equipamentos sob sua responsabilidade.  

  • Supervisionar e garantir a realização da limpeza e desinfecção das ambulâncias e/ou ônibus empregados no transporte dos casos suspeitos. 

  • Adotar medidas para o manejo do lixo e esgoto provenientes do atendimento.  

Operadores de aeronaves  

  • Fornecer a lista de viajantes com as informações solicitadas pela autoridade sanitária. 

  • Acompanhar o passageiro isolado, com suspeita de caso, até o hospital referenciado, quando necessário e conforme orientação da autoridade sanitária.  

  • Apoiar a autoridade sanitária na comunicação junto aos viajantes. 

  • Impedir o embarque do caso detectado no momento do check-in ou nos portões de embarque, informando ao COE para que sejam adotadas as medidas necessárias. 

Cada situação deverá ser criteriosamente avaliada e, quando for o caso, serão promovidas ações conjuntas pelas vigilâncias sanitária e epidemiológica, de acordo com o plano de contingência do aeroporto.       

Equipamento de proteção individual (EPI) 

Os servidores da Anvisa, da Receita Federal (RF), da Polícia Federal (PF), da Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro) e os trabalhadores que realizam abordagem em voos internacionais com viajantes provenientes da China devem:  

  • Utilizar máscara cirúrgica, mesmo se não houver relato de caso suspeito.  

  • Utilizar máscara cirúrgica, avental, óculos de proteção e luvas se houver relato de caso suspeito.  

Os servidores e trabalhadores que realizam inspeção de bagagem acompanhada devem utilizar máscara cirúrgica e luvas. O uso de máscaras cirúrgicas também é recomendado para:  

  • tripulantes de voos internacionais; 

  • agentes portuários que atuam na conexão de aeronaves; 

  • operadores de proteção da aviação civil (Apac); e 

  • funcionários de lojas duty-free.  

Para os trabalhadores que não têm contato direto com viajantes e tripulação de voos internacionais não há, no momento, recomendação de uso de equipamento de proteção individual (EPI). 

Recomendações gerais para servidores, trabalhadores aeroportuários e viajantes 

A Anvisa destaca que em qualquer situação, independentemente da indicação de uso de equipamentos de proteção ou não, os trabalhadores e viajantes devem sempre adotar medidas preventivas simples, tais como:  

  • lavar frequentemente as mãos com água e sabonete; 

  • usar gel alcoólico nas mãos quando não estiverem visivelmente sujas; 

  • utilizar lenço descartável para higiene nasal; 

  • cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir; 

  • evitar tocar as mucosas dos olhos, nariz e boca; 

  • lavar/higienizar as mãos após tossir ou espirrar. 

Plano de contingência 

É importante que os demais órgãos públicos e empresas que atuam no setor aeroportuário conheçam o plano de contingência do aeroporto e os protocolos da Anvisa, para ampla divulgação das orientações para todos os trabalhadores.   

Confira o Modelo de Plano de Contingência para Emergência de Interesse da Saúde Pública em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados

Acompanhe aqui todas as ações da Anvisa para o enfrentamento do novo coronavírus 

Informes sonoros da Anvisa veiculados em aeroportos: 

Ouça aqui o informe em português

Ouça aqui o informe em inglês

Ouça aqui o informe em espanhol

Ouça aqui o informe em mandarim.  

Acesse as informações do Ministério da Saúde sobre o novo coronavírus (2019 – nCoV) e a atualização diária do Boletim Epidemiológico. 

 

Quer saber as notícias da Anvisa em primeira mão? Siga-nos no Twitter @anvisa_oficial, Facebook @AnvisaOficial, Instagram @anvisaoficial e YouTube @anvisaoficial