Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia

Perguntas e Respostas


Atualizado em 10 de setembro de 2020

É um documento que comprova a vacinação contra doenças. Emitido gratuitamente pela Anvisa, o CIVP é exigido por alguns países para a entrada de viajantes em seu território.

Somente pessoas que irão viajar para países que exigem a vacinação, ou fazer escala/ conexão em algum desses países. Crianças a partir de 9 meses já precisam do documento.

A Anvisa só emite o Certificado para pessoas que se vacinaram no Brasil.

A lista é atualizada constantemente pela Organização Mundial de Saúde. Você pode fazer a consulta no CIVNET, clicando em “Exigências de Viagem”. Selecione os países que irá visitar (ou fazer escala/conexão) e clique em “Detalhes” para ver as informações. Além de saber se o Certificado é obrigatório, é possível saber outras recomendações de saúde.

Para febre amarela, você pode consultar aqui a lista simplificada de paises que exigem o Certificado.

A vacina contra febre amarela deve ser tomada pelo menos 10 dias antes da viagem. A Anvisa não aplica a vacina. Ela é encontrada nos postos do SUS e em clínicas particulares de vacinação.

Se você já tomou a vacina (dose padrão) alguma vez na vida, não é preciso vacinar novamente. Desde 2014 a OMS reconheceu que uma dose da vacina oferece imunidade para a vida toda.

Se você já tomou mas perdeu o comprovante, procure a unidade de saúde onde se vacinou e peça uma segunda via do comprovante.

Quem tomou a dose fracionada da vacina não pode tirar o Certificado. Nesses casos é preciso se vacinar novamente com a dose padrão.

A dose fracionada é a utilização de um quinto, ou seja, 0,1 ml da dose padrão da vacina, que tem 0,5ml. Ela foi adotada em um período de surto da doença, em 2018, nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. No comprovante de vacinação tem a informação se dose foi a fracionada.

Quem não pode tomar a vacina não precisa tirar o Certificado, mas deve apresentar um Atestado Médico de Isenção de Vacinação, escrito em inglês ou francês.

Para facilitar, disponibilizamos o modelo de atestado de isenção. O atestado pode ser apresentado em outro modelo, desde que contenha as mesmas informações. Esse modelo deve ser preenchido pelo médico do próprio viajante, contraindicando a vacina.

Não podem tomar a vacina:  

  • Crianças menores de 9 meses de idade
  • Mulheres amamentando crianças menores de 6 meses de idade
  • Pessoas com alergia grave ao ovo
  • Pessoas que vivem com HIV e que têm contagem de células CD4 menor que 350
  • Pessoas em de tratamento com quimioterapia/ radioterapia
  • Pessoas portadoras de doenças autoimune
  • Pessoas submetidas a tratamento com imunossupressores (que diminuem a defesa do corpo)

Para saber mais sobre a doença e a vacina, acesse o site do Ministério da Saúde (http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/febre-amarela-sintomas-transmissao-e-prevencao

Para febre amarela, a emissão do Certificado é feita online e você o recebe por e-mail em até 10 dias úteis depois do pedido. Siga os passos abaixo:

Vá a algum posto de saúde ou clínica particular e tome as vacinas necessárias. Exija o registro completo da vacina (com data de administração, lote da vacina, assinatura do vacinador e carimbo da unidade onde foi vacinado).

Guarde o comprovante da vacinação.

O pedido é feito pelo Portal de Serviços do governo federal (gov.br). Faça seu cadastro e preencha o formulário. Você vai precisar de CPF e da imagem digitalizada do comprovante da vacinação (com seus dados pessoais e dados da vacina).

Clique aqui para fazer a solicitação.

Você receberá o Certificado por e-mail, para imprimir em casa. O documento também fica disponível para imprimir no gov.br. O Certificado será assinado eletronicamente pelo servidor da Anvisa e o viajante deve assiná-lo antes da viagem.

Sim. Consulte a lista das unidades emissoras, mas fique atento às regras de cada uma antes de ir. Algumas unidades exigem agendamento prévio e outras só emitem para pessoas vacinadas no local. Siga os passos abaixo para fazer a emissão presencial.

Atenção: A partir do dia 28 de setembro de 2020 os postos da Anvisa não irão mais emitir o Certificado para febre amarela de forma presencial. Nas capitais onde não houver unidade emissora pública, os postos da Anvisa emitirão, excepcionalmente, Certificado para poliomielite e meningite, e para estrangeiros que não possuem CPF e foram vacinados no Brasil.

Acesse o CIVNET e clique na opção “Cadastrar Viajante”. Você vai precisar de CPF, w documento de identidade original com foto.

Dúvidas sobre o cadastro ou o agendamento? Clique aqui para mais informações 

Vá a uma unidade emissora mais próxima de você com documento de identidade original com foto e o comprovante de vacinação (com data de administração, lote da vacina, assinatura do vacinador e carimbo da unidade onde foi vacinado). Mas atenção: algumas unidades exigem agendamento prévio. Consulte a lista com as regras de cada unidade antes de ir.

O Certificado é impresso na hora. O responsável pela emissão e o viajante devem assinar o documento na entrega. Crianças ou menores de 18 anos que já assinam seu documento de identidade (RG, passaporte e outros) precisam estar presentes para pegar o certificado.

O menor que nunca assinou um documento de identidade não precisa estar presente quando os pais ou responsáveis forem buscar o documento.

Se você tem um certificado antigo, com data de validade expirada ou vitalícia, saiba que para a vacina de febre amarela não é mais preciso renová-lo.

Se você perdeu o Certificado, veja as opções abaixo para tirar a 2ª via:

  1. Certificado emitido pelo Portal de Serviços do Governo Federal: basta acessar sua conta no portal e imprimir novamente. Para isso, clique em “minhas solicitações”, desloque o botão para “concluídas”, clique em “ver”, e depois ,clique para fazer o download do PDF”.
  2. Certificado emitido de forma presencial:  se tiver o comprovante da vacina ou registro no CIVNET, você pode solicitar a emissão de novo certificado pelo Portal de Serviços do Governo Federal.  Caso não tenha, é preciso ir até uma unidade emissora para fazer a reimpressão. Mas atenção: algumas unidades exigem agendamento prévio. Consulte a lista com as regras de cada unidade antes de ir.
  3. Certificado emitido de forma presencial e viajante está no exterior: Vá até o consulado brasileiro com seus documentos pessoais e faça a solicitação. O consulado irá contatar a Anvisa, que envia o Certificado por e-mail ao consulado. O consulado será orientado a impimir o CIVP, carimbá-lo e assiná-lo, entregando-o ao usuário. 

Além da febre amarela, o Certificado pode ser emitido para outras vacinas, como meningite e poliomielite. 

Mas atenção: para essas doenças o certificado só pode ser emitido de forma presencial.  O atendimento presencial é necessário pois é preciso considerar o histórico vacinal, a idade, o tipo e o lote da vacina, o número de doses recebidas, a dose recomendada e a validade da vacina.

Para saber como emitir de forma presencial, consulta a pergunta de número 6.

Na listagem atual da OMS poucos países exigem comprovação de vacinação de brasileiros para essas doenças.

Sim, a Anvisa emite o certificado para estrangeiros vacinados no Brasil. Mas se a pessoa não tem CPF, o certificado só pode ser emitido de forma presencial.

Para saber como emitir, consulte a pergunta de número 6.