Orientações sobre alisantes


Os alisantes são produtos que alisam, relaxam, amaciam e reduzem o volume dos cabelos, de maneira mais ou menos duradoura. Estes produtos possuem substâncias que são irritantes para a pele e, se utilizados inadequadamente, podem causar queimaduras graves no couro cabelo, quebra dos fios e queda dos cabelos.

Todos os alisantes, inclusive os importados, devem obrigatoriamente ser registrados na Anvisa, pois podem possuir substâncias proibidas, de uso restrito e em condições e concentrações inadequadas, que podem ser nocivas. Por isso, antes de alisar os cabelos, verifique na própria embalagem se o produto a ser utilizado está registrado na Anvisa. Produtos Isentos de Registro, que são regularizados por meio de comunicação prévia à Anvisa, não podem ser indicados para alisamento capilar.

Antes de usar o produto, é importante ler e seguir as instruções de uso do produto e ler atentamente as precauções de uso e advertências que constam na embalagem.

 

Saiba mais:

Não.  Tanto o formol quando o glutaraldeído, devido à sua semelhança química com o formol, não podem ser utilizados como alisantes capilares. A legislação sanitária permite o uso de formol e glutaraldeído em produtos cosméticos capilares somente na função de conservantes – com limites máximos de 0,2% e 0,1%, respectivamente – durante a fabricação do produto. 

Adicionar formol, glutaraldeídoglutaral ou qualquer outra substância a um produto acabado, pronto para uso, é infração sanitária (adulteração ou falsificação) e crime hediondo, de acordo com o art. 273 do Código Penal.  

O uso indevido do formol pode causar diversos males à saúde, como: irritação, coceira, queimadura, inchaço, descamação e vermelhidão do couro cabeludo, queda do cabelo, ardência dos olhos e lacrimejamento, falta de ar, tosse, dor de cabeça, ardência e coceira no nariz.  

Exposições constantes podem causar boca amarga, dor de barriga, enjoo, vômito, desmaio, feridas na boca, narina e olhos e câncer nas vias aéreas superiores (nariz, faringe, laringe, traqueia e brônquios), podendo até levar a morte. 

Sim. A comercialização do formol em estabelecimentos como drogarias, farmácias, supermercados, empórios e lojas de conveniência é proibida pela RDC nº 36. A resolução, de 17 de junho de 2009, tem como objetivo restringir o acesso da população ao formol para proteger a saúde de profissionais cabeleireiros e consumidores.  O uso do formol como alisante capilar não é permitido pela Anvisa. 

Importante esclarecer que somente os produtos definidos como cosméticos estão sujeitos às normas vigentes para cosméticos. 

As escovas inteligente, francesa, definitiva e de chocolate são procedimentos utilizados pelos profissionais. A Anvisa não regulamenta procedimentos utilizados e, sim, os produtos que serão aplicados no momento do procedimento 

A Anvisa está avaliando o uso da substância em preparações cosméticas e os resultados serão utilizados para elaboração de regulamentação específica. 

 

Sim. Todos os alisantes capilares, inclusive os importados, devem ser registrados. Ou seja, esses produtos devem conter na embalagem o número de Autorização de Funcionamento da Empresa – AFE e o número do processo, que corresponderá ao número de registro.

Para saber se um produto é registrado na Anvisa, acesse: https://consultas.anvisa.gov.br/#/ ou  https://consultas.anvisa.gov.br/#/cosmeticos/registrados/ 

É preciso ter em mãos uma das seguintes informações: número do processo ou número de registro, nome do produto, nome da empresa detentora ou CNPJ.